MTB e BMX devem sim, ser olímpicos!

 

Recentemente o comentarista inglês Phil Liggett, um dos mais respeitados do mundo, postou em seu twitter que BMX e MTB não deveriam ser esportes Olímpicos, pois a inclusão dos mesmo resultou na destruição do programa de pista unicamente por serem mais excitantes (há controvérsias!) e ainda completou que Barão de Coubertin (pobre homem, deve ter se revirado no tumulo) provavelmente teria dado risadas se dessem a idéia da inclusão do BMX nas Olímpiadas, por mais excitante que seja. Pois bem, falou besteira.

Falou besteira pois Liggett simplesmente esqueceu que o programa de pista olímpico foi destruído por sugestão da propria UCI. Falou besteira pois Cubertin provavelmente aceitaria de braços abertos o BMX. Falou besteira pois o que faz um esporte olímpico não é seu nivel de emoção e sim o seu número de praticantes. Expliquemos cada ponto.

Sim, quem recomendou a exclusão de perseguição individual, kilo/500m contra o relogio, corrida por pontos e Madison foi a UCI, que também aconselhou a colocação de Omnium no programa. A confederação mor do ciclismo recomendou a retirada de tais modalidades para focar mais na igualdade de generos, pois, infelizmente, a “diferença” entre homens e mulheres fica mais evidente em esportes de longa duração (tá, e kilo/500m são muito longos né?) do que nas de sprint, além de que Omnium já engloba todas essas modalidades. A colocação de Omnium também coloca por terra a teoria de que BMX e MTB retiraram as modalidades citadas devido ao tempo, já que Omnium é tão demorado quanto.

Sim, Coubertin teria aceitado o BMX de braços abertos nas Olímpiadas, assim como aceitou esportes como lacrosse, motonáutica e futebol americano. Assim como aceitou uma série de esportes para eventos-teste. E o mais importante, Coubertin não recriou a Olímpiadas apenas para por os esportes de sua preferência, Coubertin o fez para celebrar o esporte, TODOS os esportes.

Por ultimo, o que faz de um esporte olímpico é sua popularidade e não seu grau de emoção. Para se ser um esporte olímpico de verão é necessário que ele seja praticado em 75 países e em 4 continentes e para ser excluído ou incluído deve-se passar por votação. É por isso que vemos baseball e cricket, esportes centenários, de fora das olímpiadas e vemos os recentes BMX e MTB nelas, é também esse o motivo de rugby e golf só serem novamente aceitos nas Olímpiadas em 2016.

Phil Liggett não só falou besteira, mas como foi levemente elitista dando entender que estrada e pista são “esportes superiores” à BMX e MTB simplesmente por preferir os dois. Enfim, que vejamos ainda por muitos anos rodas aro 20, 26 e 29 rodando nas Olímpiadas, pois elas merecem!

This entry was posted in Opiniões and tagged , , , , by Danilo Ricco. Bookmark the permalink.

About Danilo Ricco

Fã de ciclismo desde o 12 anos idade, nunca gostou de atletas de linha e é um inveterado torcedor de zebras, especialmente francesas. Começou acompanhando o ciclismo de estrada através das transmissões do Tour pela ESPN que assistia durante as férias de julho na casa de seus avós, com o tempo passou a ser um inveterado fã de MTB, porém nunca fechando os olhos as demais modalidades do ciclismo. Hoje, cursa História na UFF e possui planos de seguir em Ciências Politicas, porém possui o sonho de trabalhar com projetos sobre esporte e política.