Radio Corsa #41

Radio Corsa 41 no ar. Passamos dos 40!!

Vuelta 2013 - Percurso

Vuelta 2013 – Percurso

Eu (Cris da Rocha), Igor Oliveira e Danilo Ricco falamos sobre o que esperar da Vuelta a España 2013, que começa neste sábado. A lista de atletas de cada equipe e o percurso podem ser vistos no Procycling Stats.

Comentamos também sobre as provas que aconteceram estas últimas duas semanas, como o Tour de Utah e a Eneco Tour.

Esta é a bike com compartimento para bebida e comida.

Bike com compartimentos para comida e bebida

Bike com compartimentos para comida e bebida

Audio clip: Adobe Flash Player (version 9 or above) is required to play this audio clip. Download the latest version here. You also need to have JavaScript enabled in your browser.

Download

The Jersey Project – Resenha

Com uma capa bastante colorida, é um ótimo livro de mesa (Imagem: www.bicycling.com)

Com uma capa bastante colorida, é um ótimo livro de mesa (Imagem: www.bicycling.com)

Nesta segunda resenha, eu, Danilo Ricco, resenharei o livro “The Jersey Project” dos americanos Bill Humphreys e Jerry Dunn que tenta contar um pouco da história do ciclismo através de suas camisas. O livro teve uma boa recepção da mídia especializada americana, mas na minha avaliação, isso me pareceu um tanto quanto fora da realidade. A seguir vocês saberam o por que.

O livro é divido em duas partes: a primeira voltada ao ciclismo americano do anos 60, 70 e 80; e uma segunda, voltada ao ciclismo europeu. Está divisão é onde se encontra a raiz de todos os problemas.

A primeira parte é bastante interessante, já que trabalha muito bem na parte de contar um pouco de como era o período mais amador do ciclismo americano, focando bastante no surgimento dos clubes regionais até a “profissionalização”, com a chegada de patrocínios. Porém, nela há um grave problema: por mais que possua uma grande variedade de camisas e fotos, ela simplesmente não informa de quais clubes e equipes elas eram, informando apenas o ano e seu dono. Isso é bastante frustrante para quem, como eu, gostaria de se aprofundar na história individual de cada clube. Junta-se a isso o fato do texto ser extremamente mal escrito, o que torna a leitura desanimante e canssativa.

A segunda parte, se por um lado melhora, por outro ela joga todo esse avanço no lixo por uma série de erros básicos presentes em toda sua extensão.

Esta parte, que abrange a Europa e o resto do mundo é a mais interessante do livro, possuindo em seu conteúdo de imagens desde camisas dos anos 30 até as mais atuais, sendo ela a tradução para o inglês do livro “Koerslui”, do holandês John van Ierland.

Por mais que a parte européia do livro possua um acervo de camisas muito mais interessante que a primeira e corrija o problema com a falta de identificação dos clubes, que no caso são as equipes, os problemas com a qualidade do texto persistem, e até mesmo pioram.

Por ser uma tradução, o livro sofre fortemente com o problema de um trabalho muito porco, ao ponto de Tour of Romandie, a forma correta, ser traduzido no livro como Round of Romandia. Sem contar as traduções e não traduções presentes no texto, como por exemplo a Volta da Lombardia. No livro aparecem três nomes para a prova: Giro di Lombardia, Tour of Lombardie e Ronde de Lombardjie. Há também a falta de tradução para o inglês de algumas provas como a Liége-Bastogne-Liége que no livro aparece escrita em holândes, Luik-Bastenaken-Luik, o que confundiria a maioria do leitores.

Outro problema é a péssima edição, com diversos erros de data, digitação e até mesmo de concordância, que, aliado ao velho problema da péssima escrita, tornam o livro bastante chato.

O livro, por mais interessante que seja sua temática, é bastante falho na parte básica de todo livro, a escrita, bastante chata em toda sua extensão. Por custar algo próximo aos R$115 (com frete incluso), eu sugeriria que sua compra apenas ocorra em eventuais promoções, pois sua leitura bastante frustrante faz com que se compense comprar apenas pelas fotos das camisas históricas presentes nele e assim, não valendo o investimento.

ISPO Bike 2013

Semana passada aconteceu em Munique o ISPO Bike 2013, que é o novo nome do Bike-Expo.

ISPOBIKE 2013 - Beatneck Bikes - Cores da moda para ciclismo urbano com estilo (foto: Cris da Rocha).

ISPOBIKE 2013 – Beatneck Bikes – Cores da moda para ciclismo urbano com estilo (foto: Cris da Rocha).


ISPOBIKE 2013 - Visão geral da feira (foto: Cris da Rocha).

ISPOBIKE 2013 – Visão geral da feira (foto: Cris da Rocha).

A feira tem ainda mais foque comercial que antes. Realmente um “trade show”, mais do que uma exibição. No passado o Bike-Expo foi usado inclusive para lançamentos de produtos, como o BB386 Evo da FSA, mas este ano a feira estava totalmente desprovida não só de lançamentos, mas de marcas em geral. As marcas eram basicamente as alemãs, como Focus ou Bulls. Até mesmo a Cannondale que estava presente não levou nada de ponta, somente bicicletas de faixa intermediária.

Isso, porém, não faz com que a feira não tenha coisas interessantes, fora do “main stream” competitivo.

ISPOBIKE 2013 - Nutcase - Capacetes urbanos (foto: Cris da Rocha).

ISPOBIKE 2013 – Nutcase – Capacetes urbanos (foto: Cris da Rocha).

A temática da feira (fora vendas) foi o ciclismo urbano com estilo. As marcas se esforçaram em mostrar como as pessoas podem pedalar na cidade com conforto e boa aparência e sem usar o material esportivo.

Uma exposição especial de roupas de ciclismo urbano como calcas com reforço interno para resistir à fricção com o selim, roupas streatch, jaquetas, mas tudo dentro das tendências atuais da moda urbana (bastante alternativa, diga-se de passagem).

ISPOBIKE 2013 - Pegasus - Bike tradicional com cores modernas (foto: Cris da Rocha).

ISPOBIKE 2013 – Pegasus – Bike tradicional com cores modernas (foto: Cris da Rocha).

Seguindo a tendência de moda, as cores das bikes foram o principal referência. Cores brilhantes, incluindo as rodas, pedivela e correntes, como mostrada por exemplo pela Beatnecks Bikes, e a atração europeia pelas fixies.

ISPOBIKE 2013 - Beatneck Bikes - Cores da moda para ciclismo urbano com estilo (detalhe) (foto: Cris da Rocha).

ISPOBIKE 2013 – Beatneck Bikes – Cores da moda para ciclismo urbano com estilo (detalhe) (foto: Cris da Rocha).

Circular com segurança dentro da cidade passa por ser visível e produto que chamou a atenção foi o Laser Lite Lane que é a famosa luz traseira que desenha no chão a sua própria “ciclovia”. O sistema é reativo, quando a bike inclina para virar os leds desenham uma seta para o lado e a linha da ciclovia no chão pista para o lado que se esta virando. O produto feito pela 3xLLL de Singapura tem garantia de 1 ano e certificações FDA e RoHS. O produto deve vender na Europa na faixa dos 100 Euros e a empresa está procurando representante no Brasil. Fica a dica.

ISPOBIKE 2013 - Laser Lite Lane - Ciclovia portátil em laser (foto: Laser Lite Lane).

ISPOBIKE 2013 – Laser Lite Lane – Ciclovia portátil em laser (foto: Laser Lite Lane).

Capacetes urbanos estão claramente migrando dos super-tecnológicos de competição, com bastante ventilação, mas por outro lado com um visual “extra-terrestre”, para capacetes menos volumosos e integrados, mesmo que não tão ventilados. A Nutcase mostrou uma linha tanto para adultos como para crianças com estampas atraentes. A Melon abraça a ideia de que o capacete parece uma melancia cortada e colocada na cabeça e baseia toda sua campanha do “pé de melancia” ainda que as estampas sejam variadas (bom, existe no catalogo o capacete com estampa de melancia!). Ambas marcas não deixam de lado o conforto, nem a qualidade e o desenvolvimento dos produtos.

ISPOBIKE 2013 - Melon - O pé de melancia (foto: Cris da Rocha).

ISPOBIKE 2013 – Melon – O pé de melancia (foto: Cris da Rocha).

Em acessórios, a BikeCityGuide mostrou o Finn. O produto é completo. Um suporte de guidão para telefone que é uma tira de silicone que se adapta praticamente a todos os produtos do mercado. Simples de coloca, simples de tirar e a tira vai no bolso junto com o telefone. Um App de navegação offline é o produto real. O App é gratuito, porém é somente um container onde os mapas das cidades são comprados em App-Store. Ao comprar a tira ganha-se o download de um mapa. Sendo offline o uso não consome a sua banda mensal de internet. Infelizmente mapas de cidades fora da Europa ainda nao existem, mas o sistema está expandindo rapidamente.

ISPOBIKE 2013 - Finn - Suporte de telefone para guidão em silicone e app de navegação offline (foto: BikeCityGuide)

ISPOBIKE 2013 – Finn – Suporte de telefone para guidão em silicone e app de navegação offline (foto: BikeCityGuide)

Dentro das bikes especiais, várias empresas destacaram o uso de materiais alternativos como bamboo e madeira. Em bamboo, a Boo Bicycles, mostrou suas criações com o material, e em madeira os franceses da Moustache levaram uma bike conceito em madeira, já a MWB (Maurer Wooden Bikes), umas das finalistas do prémio “Brand New” da feira, mostrou a bikes em produção. A madeira é laminada e os quadros produzidos em duas metades. Isso permite a colocação de elementos internos, como um tubo de alumínio para receber o selim ou a espiga de direção, sem ter que escavar totalmente o quadro, aumentando a rigidez e resistência. As duas metades são depois coladas no mesmo processo do laminado, o que faz com que não exista diferença entre o meio do quadro e resto dele.

ISPOBIKE 2013 - MWB - Bike em madeira laminada (foto: Cris da Rocha).

ISPOBIKE 2013 – MWB – Bike em madeira laminada (foto: Cris da Rocha).


ISPOBIKE 2013 - MWB - Bike em madeira laminada (detalhe) (foto: Cris da Rocha).

ISPOBIKE 2013 – MWB – Bike em madeira laminada (detalhe) (foto: Cris da Rocha).


ISPOBIKE 2013 - Boo Bicycles - Bike em Bamboo (foto: Cris da Rocha).

ISPOBIKE 2013 – Boo Bicycles – Bike em Bamboo (foto: Cris da Rocha).


ISPOBIKE 2013 - Moustache conceito em madeira (foto: Cris da Rocha).

ISPOBIKE 2013 – Moustache conceito em madeira (foto: Cris da Rocha).

A Ottobock, famosa empresa alemã de próteses, está lançando sua linha handbikes. Os diferencias são as opções “E-Bike” com motor Bosch, partindo do principio que nem todo ciclista adaptado é um campeão paraolímpico e full-suspension, para os que querem se aventurar fora da estrada. A iniciativa inclui também um triciclo para pessoas com problema de equilíbrio e uma bike normal para o parceiro que não precisa de adaptações. As bikes estão equipadas com Alfine Di2 (o cambio de “rua” da Shimano, versão eletrônica). Os preços variam entre 4000 e 7000 Euros.

ISPOBIKE 2013 - Ottobock A-Mano - Triciclo a manivela em aluminio com Alfine Di2 (foto: Cris da Rocha).

ISPOBIKE 2013 – Ottobock A-Mano – Triciclo a manivela em aluminio com Alfine Di2 (foto: Cris da Rocha).

Para crianças, a Puky, lider do mercado alemão de produtos infantis mostrou sua linha de bikes e acessórios. As bikes cobrem toda a gama, desde bikes para crianças bem pequenas até aro 24 polegadas. Outra marca de bikes para crianças na feira foi a S’Cool (que no mínimo vem de “SOOOO COOLLLL!!”). O produto de destaque, na minha opinião, foram as bikes de estrada em aro 20 e 24 polegadas. Realmente chamam a atenção. Como pai babão já estou escolhendo a próxima bike do meu filho!!!

ISPOBIKE 2013 - S'Cool - Bikes de estrada com aros 20 e 24 polegadas (foto: Cris da Rocha).

ISPOBIKE 2013 – S’Cool – Bikes de estrada com aros 20 e 24 polegadas (foto: Cris da Rocha).

Radio Corsa #40

Radio Corsa 40 no ar! 40 episodios! Quem diría!!!

Eu (Cris da Rocha), Rafael Martino e Danilo Ricco falamos das investigações do senado frances sobre positivos de doping no Tour de 1998, que jogou na lama os principais nomes do ciclismo dos anos 90.

Campeonato Brasileiro de Pista - 2013 (Podium Scratch com vitoria de Rafael Andriato)

Campeonato Brasileiro de Pista – 2013 (Podium Scratch com vitoria de Rafael Andriato)

Comentamos também o Campeonato Brasileiro de Pista, Clássica de San Sebastian, Volta da Venezuela, Volta da Polônia e da Copa do Mundo feminina de MTB XCO.

Vejam aqui o video do Feillu que comentamos no programa, pedindo para o carro da equipe ir mais rápido!!

Os resultados prometidos da Copa do Mundo feminina de MTB XCO:

1 Sabine Spitz (Ale) Sabine Spitz Haibike Pro Team 1:26:54
2 Katerina Nash (Cze) Luna Pro Team 0:00:01
3 Eva Lechner (Ita) Team Colnago Sudtirol 0:00:04
4 Gunn-Rita Dahle Flesjaa (Nor) Multivan Merida Biking Team 0:00:09
5 Tanja Zakelj (Slo) Unior Tools Team 0:01:24

Acabamos não comentando durante o programa, mas aproveitamos a oportunidade para dar os resultados do mundial de BMX, que o Danilo Ricco nos passou offline:

Elite Masc:
1 Liam Phillips (Gbr) 23.280
2 Marc Willers (Nzl) 23.492
3 Luis Brethauer (Ale) 24.377
4 Martijn Jaspers (Hol) 25.322
5 Tory Nyhaug (Can) 25.348
6 Joshua Callan (Aus) 26.159
7 Yoshitaku Nagasako (Jap) 41.877
8 Barry Nobles (Eua) 55.801

Video da final

Elite Fem:
1 Caroline Buchanan (Aus) 25.506
2 Lauren Reynolds (Aus) 26.802
3 Manon Valentino (Fra) 26.991
4 Arielle Martin (Eua) 27.240
5 Alise Post (Eua) 28.034
6 Mariana Pajon (Col) 28.078
7 Stefany Hernandez (Ven) 1:13.347
8 Maria Gabriela Diaz (Arg) 1:18.039

Video da final

Audio clip: Adobe Flash Player (version 9 or above) is required to play this audio clip. Download the latest version here. You also need to have JavaScript enabled in your browser.

Download