O esporte e o doping

8c550ac4-a6a3-47ed-9dd3-53af27ba2971_463x347O esporte, não só o ciclismo, vem sendo assombrado por escândalos de doping nos últimos anos que atingem não apenas quem se dopou, mas toda a entidade esportiva a quem eles representam. Este foi o caso de Lance Armstrong, dos atletas jamaicanos e de César Cielo, mas seria o doping realmente o problema?

O esporte sempre foi regido pelo princípio básico do equilíbrio de condições entre os adversários. Todos, em teoria, estariam em igualdade de condições diante de uma prova e o doping seria um fator que tiraria este equilíbrio. Isto acontece por que o doping, como sabemos, consiste no uso de substâncias melhoradoras de performance física, o que, para alguns, tiraria outro princípio básico do esporte: a força humana. Porém, diante de tais argumentos, poderíamos levantar o seguinte questionamento: o avanço tecnológico de forma desigual não seria então uma espécie de doping mecânico? Frente a isso, voltemos ao doping.

Os últimos tempos tem mostrado que a atual política de “Guerra as Drogas” praticada pela WADA e, especial, a UCI tem se mostrado pouco eficaz, já que, desde então, as suspeitas e os escândalos de dopagem não tem aparentado ter diminuído, mas, na verdade, aumentado. Olhando para UCI, esta política conservadora em relação ao doping tem demonstrado coerência se comparados a política tecnológico da entidade. Porém ainda assim vemos certo descompasso: a utilização de itens em carbono, grupos mais completos e leves, e itens de segurança mais resistentes e leves são sim itens de desigualdade esportiva.

Dentro do cenário WorldTour e ProCont esta diferença não parece ser aparente, mas, quando descemos ao nível Continental, ela já surge. Um exemplo disso pode ser colocado no Tour de San Luis: em sua última temporada de vida, a equipe da Padaria Real tinha suas bicicletas equipadas com o grupo Shimano Ultegra completo, ao tempo em que equipes ProTour e ProCont utilizavam grupos Shimano Dura Ace Di2 completos. Isso já mostra um fator de diferenciação. Porém isso fica ainda mais extremado quando partimos para o suprassumo do ciclismo mundial, o Mundial de ciclismo.

No Mundial ao ponto que vemos Cavendish e sua Venge, vemos ciclistas africanos e asiáticos ainda presos em suas bicicletas de alumínio. Então, pegunto: se o doping torna as coisas tão desiguais assim, onde está a igualdade onde de um lado vemos alguém usando uma bicicleta de 9kg e do outro, alguém usando uma quase 3kg mais leve?

Fica meio lógico que esse descompasso entre a mecânica e o biológico das regras tem muito a ver com os patrocínios e o mercado. A UCI e quealquer outra federação esportiva dependem da visibilidade e interesse pelo esporte para que continuem existindo, por isso, as regras de controle mecânico devem agradar não só quem produz os equipamentos, mas também quem os compra, que sempre está atrás de inovações. O mesmo não se aplica a substâncias melhoradoras de performance, que não atraem publico comprador e nem patrocínio de farmacêuticas ao esporte.

O atual conservadorismo do esporte o impede de ver que as atuais políticas antidopagem necessitam de uma reforma urgente, pois, diante de tal quadro de avanço desigual das condições individuais de cada atleta impede que o esporte corra justo como era a sua intenção. Não faço aqui um pedido de legalização do doping (nem do bloqueio dos avanços tecnológicos), porém, fica claro que não outro motivo que não seja o pensamento arcaico das lideranças esportivas atuais, que fica claro em suas políticas repressivas e não de entendimento com quem de dopa, é que impede que avanços ocorram na área e que os atuais escândalos, não que parem, mas que diminuam consideravelmente.

This entry was posted in Coluna do Primo and tagged , , , by Danilo Ricco. Bookmark the permalink.

About Danilo Ricco

Fã de ciclismo desde o 12 anos idade, nunca gostou de atletas de linha e é um inveterado torcedor de zebras, especialmente francesas. Começou acompanhando o ciclismo de estrada através das transmissões do Tour pela ESPN que assistia durante as férias de julho na casa de seus avós, com o tempo passou a ser um inveterado fã de MTB, porém nunca fechando os olhos as demais modalidades do ciclismo. Hoje, cursa História na UFF e possui planos de seguir em Ciências Politicas, porém possui o sonho de trabalhar com projetos sobre esporte e política.