Stop at Nothing: The Lance Armstrong Story – Resenha

O mal tempo continuou um pouco mais, então tive tempo de assistir mais um filme, agora “Stop at Nothing: The Lance Armstrong Story“.

Stop at Nothing: The Lance Armstrong Story

Ao contrário do filme sobre Marco Pantani, este é um documentário acusador, com um tom sensacionalista, que mostra a ascensão e queda do mito Lance Armstrong. Podia chamar também “Betsy Andreu e Greg Lemond em: Eu odeio Lance Armstrong”.

O foco principal é a ascensão de Armstrong, desde o início da carreira, com sua personalidade dominante e dominadora, intimidando e comprando seus adversários, junto com o uso dos produtos “mágicos” para melhorar a performance e as estruturas criadas ao seu redor. O padrão de intimidação se repete na eliminação de adversários fora da estrada, a cada acusação, a cada entrevista. Betsy Andreu, Greg Lemond, David Walsh, Emma O’Reilly, Paul Kimmage, …

As pequenas e grandes investigações, como as de 2000 e 2005 e a investigação federal de 2010, encerradas de forma inconclusiva, até que em 2012 a USADA resolve tomar o caso para si e levá-lo até o final, ocasionando a queda de Armstrong, a desqualificação de suas 7 vitórias consecutivas no Tour de France e processos por fraude que se arrastam até hoje.

A melhor definição para o caso, dada por David Walsh, é a do ladrão de banco que rouba milhões do cofre e é apanhado por volta para roubar as moedas dos clientes, em analogia à volta de Lance ao ciclismo em 2009.

A questão em aberto, que é mostrada, mas não de forma explícita no documentário, é como todas as pessoas e organizações mencionadas nas investigações como cúmplices ou coniventes com o esquema de dopagem ainda continuam impunes e na sua maioria ainda ativamente ligadas ao esporte. As cabeças de Armstrong e seu diretor esportivo foram cortadas, alguns atletas envolvidos foram “punidos” e os demais ficaram fazendo cara de Mona Lisa e torcendo para que o sangue dos punidos fosse suficiente.

O filme vale a pena ser assistido, nem que seja para aprendermos quem é quem neste jogo e a reconhecer os padrões de comportamento.

Radio Corsa #39

Radio Corsa 39 no ar, falando sobre o Tour de France 2013 que acabou neste final de semana.

Podium do Tour de France 2013. Chris Froome (Sky), Nairo Quintana (Movistart) e Joaquin "Purito" Rodriguez (Katusha). (Foto AFP / Pool / Stephane Mantey)

Podium do Tour de France 2013. Chris Froome (Sky), Nairo Quintana (Movistart) e Joaquin “Purito” Rodriguez (Katusha). (Foto AFP / Pool / Stephane Mantey)

Eu (Cris da Rocha) e Danilo Ricco comentamos o Tour de France 2013, se desenvolveu de uma maneira bastante suspeita (pra dizer o mínimo). Demos nossa opinião sobre o tema e o grande risco de estarmos começando uma nova “Era Armstrong” no quesito doping institucional.

O tempo dirá!

De qualquer forma, a conversa, como sempre flui espinafrando tudo e todos de uma forma divertida!

Audio clip: Adobe Flash Player (version 9 or above) is required to play this audio clip. Download the latest version here. You also need to have JavaScript enabled in your browser.

Download

It’s all about the bike – Resenha

No catastrófico episódio onde perdemos os posts do último semestre por problemas técnicos, um dos textos perdidos foi uma resenha que escrevi sobre o livro “It’s all about the bike” de Robert Penn. Gostei tanto do livro que vale a pena re-escrever.

Its All About The Bike - Robert Penn (imagem: www.thebicycleacademy.org)

Its All About The Bike – Robert Penn (imagem: www.thebicycleacademy.org)

Robert Penn é um jornalista inglês e um ciclista aventureiro, que já pedalou em lugares interessantes nos quatro cantos do mundo e passou pelas situações mais inusitadas. O título em si é uma paródia o famoso livro de Lance Armstrong (“It’s not about the bike“), onde o ciclista conta sua história de recuperação do câncer. No livro, ao que me consta ainda sem tradução para português, nos conta a história da construção de sua bike “dos sonhos”! A última bike que vai montar!

O livro começa com a história social da bicicleta e sua influência nos movimentos sociais do final do século XIX. Depois, em cada capítulo, temos a construção ou compra de uma peça, a história do fabricante, colocando em contexto sua escolha e o desenvolvimento técnico da peça desde sua invenção.

A primeira parte é a construção do quadro, em aço, feito sob medida na Rourke Cicles na Inglaterra e a história continua com Penn viajando para Itália e Estados Unidos para comprar o guidão na Cinelli, câmbios na Campagnolo, a caixa de direção na Chris King, entre outros, e termina com as rodas feitas a mão por Steve “Gravy” Gravenites, um dos inventores do Mountain Bike, o que da direito a Penn descer o mítico Repack com Charlie Kelly e Joe Breezer, outros pais do esporte.

O destaque fica, no meu ponto de vista, para a evolução da bicicleta em geral, como a passagem da Draiseana para a Penny Farthing (aquela com a roda dianteira enorme) e finalmente para o formato que conhecemos e de como isso somente é possível com os desenvolvimentos tecnológicos, como a invenção da corrente que permitiu levar a transmissão para a roda traseira ou a própria invenção do pneu!

O texto em si é muito bem escrito, deixando a leitura muito agradável. É um daqueles livros que você começa a ler e não quer mais parar.

Radio Corsa #34

Radio Corsa 34 no ar e novamente, depois da mudança de host estamos repostando este podcast!!

Eu (Cris da Rocha), Rafael Martino e Bruno Victor Veiga finalmente conseguimos fazer a primeira gravação de 2013, a nova versão do Radio Corsa.

Oprah Winfreys e Lance Armstrong na entrevista onde o ciclista admitiu o uso de doping em suas vitórias ao Tour de France.

Falamos do começo da temporada, com os primeiros resultados, dos casos e papelões da UCI e da entrevista dada por Lance Armstrong a Oprah Winfrey, onde admitiu o uso de doping em suas 7 vitórias no Tour de France, recentemente caçadas pela UCI a pedido da USADA.

Audio clip: Adobe Flash Player (version 9 or above) is required to play this audio clip. Download the latest version here. You also need to have JavaScript enabled in your browser.

Download

O Fracasso de Lance Armstrong e da RadioShack

Na hora da derrota nós sempre procuramos achar os culpados e as vezes eles não existem, mas como sou um torcedor do Lance vou tentar explicar o que pode ter acontecido para que ele não tenha obtido sucesso nesse Tour de France.

Se você olhar a equipe dele:

Lance Armstrong (38), Andreas Kloden (35), Levi Leipheimer (36), Dimitry Muravyev (30), Yaroslav Popovych (30), Chris Horner (38), Janez Brajkovic (26), Sergio Paulinho (30), Grégory Rast (30),

perceberá que é uma equipe bem rodada e já considerada velha, todos tem experiencia no Tour. Se você considerar que o ciclismo nos últimos 4 anos foi ‘dominado’ por ciclistas mais jovens –  Alberto Contador, Andy Schleck, Tony Martin, Robert Gesink, Roman Kreuziger, Vicenzo Nibali –  a equipe de Lance parece ter faltado perna na etapas de montanha, e lógico que também as quedas de praticamente todos os ciclistas da RadioShack nos pavés no início do Tour podem ter afetado o desempenho dos ciclistas. Klöden deu uma desculpa que está gripado e isso afetou seu desempenho. O melhor ciclista da RadioShack na geral foi o Chris Horner, que na ordem da equipe era o 4º líder, se é que existe, atrás do Lance, Leipheimer e Kloden.

Janez Brajkovic é um ciclista promissor. Johan Bruyneel tem colocado o ciclista no Tour pra ganhar mais experiencia, talvez em uns 2-3 anos poderá ter uma classificação melhor.

Eu não consigo entender o que houve com o Leipheimer inclusive ontem no contra-relógio, uma das suas especialidades e ele foi muito mal. Popovych é ídolo e não posso falar mal dele, o Cristiano é um grande fã dele.

Muravyev, Rast e Paulinho, eram pra ser os gregários, o último fez muito bem seu trabalho e foi recompensado com uma vitória em uma etapa do Tour. Muravyev eu não o vejo e o Rast foi pro Tour?

Não seria hora pro Johan Bruyneel começar a pensar em uma reformulação da equipe? Ele tem o Taylor Phinney, Tiago Machado como bons e novos nomes, poderia até trazer os irmãos Schleck que devem ficar sem equipe pra 2011 para formar uma equipe mais nova para o ano de 2011.

####

Notícias curtas sobre o Tour:

– 39 segundos, essa é a diferença final entre Alberto Contador e Andy Schleck. Qual era o tempo que Contador conseguiu na 15ª etapa no seu ataque anti-desportista? Justos 39 segundos.

– Denis Menchov depois de 83 Tour’s de France enfim consegue um pódium, depois de ser bi-campeão da Vuelta (2005 e 2007) e campeão do Giro d’Italia (2009) – trivia – em 2008 ele foi 3º mas após a desqualificação de Bernard Kohl.

– Desde Richard Virenque, em 2004, um Francês não ganha a camisa de montanha no Tour, esse ano coube à Anthony Charteau, da Bouygues Telecom.

– Cadel Evans, campeão do mundo de estrada, vai completar o Tour com o cotovelo quebrado, um herói.

– Se Frank Schleck não sai do Tour, seria uma ajuda e tanto pro Andy…

####

Até o Tour de France 2011.

O ataque de Alberto Contador na 15ª Etapa

Aproveitando que a copa do mundo acabou a pouco, no futebol existe uma coisa que 99% dos times fazem e a FIFA aprova que se chama Fair-Play, o jogo limpo. É quando um jogador do time adversário se machuca, o time joga a bola pra fora e o adversário devolve a bola pro time que estava com a posse.

Mas aqui não é futebol, é ciclismo um esporte que não tem uma organização máxima decente e que sirva de exemplo, a UCI no caso. Mas vamos falar do que interessa.

Alberto Contador bi campeão do Tour de France (2007/2009), campeão do Giro e da Vuelta (2008) um ciclista apesar de não muita idade, 27, fez um ato considerado infantil na etapa de hoje, o líder do Tour até o momento Andy Schleck, teve um problema mecânico, sua corrente saiu, e Contador aproveitou a deixa e ATACOU Andy. No ciclismo tem uma regra não escrita, um fair-play, que é o seguinte: Nunca atacar o líder da volta quando ele estiver em problemas.

Assim definiu o site cyclingnews: Contador ignored one of the unwritten rules of cycling etiquette by responding and attacking the yellow jersey in his moment of difficulty. – Contador ignorou uma das regras não escritas da etiqueta do ciclismo em responder e atacar o camisa amarela no seu momento de dificuldade.

No podium da etapa, Contador foi claramente vaiado, já que os torcedores acharam a atitude do el pistolero muito anti-desportista e eu também achei.

A opinião de Andy Schleck: “It’s not up to me to decide if it was fair or not, but I wouldn’t have raced like that,” said a seething Schleck after the finish, “My belly is so full of anger right now … I’m going to want to get my revenge.” – Não sou eu que decido se foi justo ou não, mas eu não teria acelerado daquela forma. (disse um cético Schleck depois do final), meu estômago está cheio de raiva agora. Eu vou querer a revanche.

Pra quem acompanha o ciclismo há bastante tempo, vai se lembrar na mesma competição, em 2003, o Tour de France, na etapa que terminava em Luz Ardiden em que o camisa amarela na época, Lance Armstrong foi derrubado por um espectador de rua, e seu maior rival na época, Jan Ullrich o esperou, um tremendo ato de cavalheirismo e que hoje sem dúvida faltou a Alberto Contador.

Lance Armstrong falando sobre o fair play de Jan Ullrich em 2003 (english)

Muitos torcedores anti-Lance acham que ele é anti-desportista, e arrogante. Mas o Contador provou hoje ser muito mais que ele se aproveitando de um problema do adversário.

Com o resultado de hoje, Alberto Contador agora é o novo líder do Tour de France, 8 segundos à frente de Andy Schleck, o vencedor da etapa de hoje foi o Francês Thomas Voeckler que venceu a etapa em 4h44’51”

Todos sabem que sou torcedor incondicional do Lance, como o Tour pra ele esse ano já era e o Contador era um ex-discoboy, e já esteve no mesmo time de Lance, achei uma falta de carater a atitude dele.

GO SCHLECK.

Update: O Cristiano achou o vídeo do problema do Schleck:

Momento do problema de Schleck

Update 2:  Alberto Contador acabou de publicar um vídeo tentando se desculpar com Andy..

Contador se desculpa

Agora,  se ele sabe que estava errado e é um admirador do fair-play PORQUE fez isso então? Provando mais uma vez que ele é cético e arrogante.

GO SCHLECK!!

UPDATE 3 (E o último-eu juro): Contador se desculpa a Andy e ele aceita.

Radio Corsa Especial Tour de France 2010 #01

VAI COMEÇAR! Aquilo que a gente espera o ano todo, nosso amado TOUR DE FRANCE! E neste programa Rafael Martino e Cristiano da Rocha dizem o que esperam da descarga de endorfina que se seguira nestas 3 semanas.

Versão alta qualidade(64kbps):

Audio clip: Adobe Flash Player (version 9 or above) is required to play this audio clip. Download the latest version here. You also need to have JavaScript enabled in your browser.


17,4Mb | 36min24s
Download

Landis assume doping. Será?

AGORA PARECE QUE TACARAM ESTERCO NO VENTILADOR DE TETO E DANÇARAM TOTALMENTE NUS EMBAIXO!
Varios meios da imprensa, especializados ou não(Incluindo o Wall Street Journal) alegaram ter recebido um e-mail em nome de Floyd Landis, confirmando durante toda sua carreira ter usado: EPO, testosterona, HGH, Transfusões de sangue, e por um breve periodo insulina.
Tambem no e-mail citou nomes e acusou Lance Armstrong, George Hincapie, Dave Zabriskie. Alegou que Johan Bruynell(Diretor da US Postal, Discovery Channel, Astana e RadioShack) e Andy Rhis(Diretor da Phonak e atual dono da Bicicletas BMC)  como apoiadores das praticas de doping.
Até agora nenhum meio da imprensa conseguiu entrar em contato com nenhum dos acusados e nem com o redator, sendo impossivel saber se o e-mail é mesmo dele(mesmo vindo do endereço do proprio ciclista)
os porta vozes da Slipstream Sports(Garmin-Transitions) e BMC ficaram de dar uma declaração sobre o caso.
Ou armaram pro Floyd, ou ele ficou maluco!
Adendo: Rezam as lendas que certa vez Lance Armstrong disse para Filippo Simoni “Tenho tempo, dinheiro e muitos advogados.” Será que vai ser esse  o caso de novo? 😛