Pantani – A Morte Acidental de Um Ciclista – Resenha

Enquanto o tempo não melhora no hemisfério norte, apesar de ser primavera, treinar no rolo passa a ser a opção mais viável e com isso filmes de ciclismo caem como uma luva para entreter os treinos ainda de madrugada.

Pantani – A Morte Acidental de Um Ciclista

Pantani – A Morte Acidental de Um Ciclista” (Pantani: The Accidental Death of a Cyclist) é um filme feito por fãs do inesquecível Marco Pantani, mas antes de mais nada, um filme sobre ciclismo, personificado na figura de Pantani.

O filme mostra a clássica história do menino apaixonado pela bicicleta e sua trajetória das competições amadoras, carreira profissional e, no caso de Pantani, até o topo do mundo. Mostra um Pantani heróico, autor da última grande gesta, a última dobradinha Giro-Tour e, porque não o fim do ciclismo romântico.

Sem entrar no mérito de Pantani ter ou não se dopado, o filme indica como a sua superioridade teria incomodado o poder estabelecido, seja ele da ala mafiosa das organizações do ciclismo, seja a máfia “real”.

O foco principal do documentário torna-se então o impacto do massacre da média e dos fãs sobre Pantani, após o suposto positivo durante o Giro de 1999. A derrocada do nosso herói e a subsequente desilusão e depressão que teria levado à sua morte em uma overdose de cocaína em 2004.

Sem apontar dedos diretamente ou dar nomes, o filme faz mais perguntas do que reponde. Perguntas que todos os fãs do ciclismo gostariam de ver respondidas.

Vale a pena ser visto.